Presidente do tribunal diz em nota sobre suposta propina da “Operação Pau Oco” e que delegados cometeram crime por vazamentos de informações