Banner juvino publicidade

Turismo

Belezas de Rondônia 03/06/2017 10:39 Fonte: G1 de Rondônia e (Foto: Emanoel Javoski/Arquivo Pessoal)

Fotos revelam encontro de rios que não se misturam na fronteira de RO com a Bolívia; Fotos

Água escura do Pacaás e a barrenta do Mamoré formam imagem rara na região de Guajará-Mirim. Local tem recebido turistas do mundo todo.

O encontro das águas dos rios Mamoré e Pacaás Novos, na zona rural de Guajará-Mirim (RO), se tornou um fenômeno exuberante que atrai diariamente dezenas de turistas brasileiros e de outros países.

O ponto de encontro dos rios, na fronteira do Brasil com a Bolívia, ocorre quando a água escura do Pacaás e a barrenta do Mamoré formam uma linha de divisão que percorre vários quilômetros, sem se misturar.

A imagem do encontro das águas do Pacáas e Mamoré é igual ao dos Rios Negro e Solimões, no estado do Amazonas, que é mundialmente conhecido e admirado pela beleza exótica.

Em Rondônia, a divisão das duas águas se tornou um ponto de encontro para embarcações, onde os tripulantes aproveitam para tirar fotografias, fazer filmagens ou simplesmente conhecer a famosa “junção negra e barrenta”.

Além do acesso aéreo e aquático, o ponto de encontro também pode ser acessado por terra, através de uma estrada que dá acesso a um hotel de selva, localizado às margens dos dois rios.

Diferentes colorações da água

Gabriel também explica porque a água dos dois rios não se misturam.

“ São várias características que dão a diferença na coloração da água, mas principalmente porque o Mamoré recebe vários afluentes da porção oriental dos Andes e esses afluentes carregam muitos sedimentos, esses sedimentos são os responsáveis pela coloração barrenta da água. Já o Pacaás, assim como acontece com o Rio Negro, do Amazonas, é carregado de ácidos orgânicos que são derivados da decomposição da matéria orgânica liberada na vegetação da sua área de margem, por isso torna-se mais escura”, analisa.

O biólogo comentou que é possível que existam algumas espécies de animais e plantas endêmicas em cada rio, pois as duas águas têm características diferentes para comportar a biodiversidade da área.

“As características são diferentes nas águas de um rio e de outro. Por exemplo, a água do Mamoré tem mais sedimentos e permite menos a entrada de luz. Logo, nos primeiros metros a visibilidade é menor. Já no Pacaás é o oposto”, explica o pesquisador.

Potencial turístico da região

Segundo o biólogo Gabriel Cestari, que é professor da Universidade Federal de Rondônia (Unir), apesar do potencial de turismo internacional, o fluxo de turistas na cidade de Guajará-Mirim poderia melhorar.

“O turismo é algo que envolve várias esferas da cidade, isso porque tanto o incentivo do poder público quanto o deslocamento devem ser facilitados ao serviço de hotelaria e também ao comércio local. Esses pontos citados acabam muitas vezes afetando a opinião do turista que vem conhecer nossa região”, diz o professor universitário.


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo