Banner juvino publicidade

Tecnologia

Com auxilio da tecnologia 16/01/2017 08:31 Folha de São Paulo

Autoescolas e despachantes criaram software para facilitar cartel

As autoridades brasileiras ainda não desvendaram casos de cartéis com o uso de robôs, como no esquema descoberto nos Estados Unidos para manipular o preço de cartazes de cinema. Mas estão atentas ao movimento.

"É um prenúncio do que podemos ver no Brasil. Não à toa temos casos de conluios formados com o auxílio de softwares e mecanismos digitais. Temos de adequar nossa capacidade de investigação às novas formas de cartelização", diz Eduardo Rodrigues, superintendente-geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão antitruste do país.

Um dos casos descobertos ocorreu em Santa Bárbara D'Oeste, município localizado a cerca de 140 quilômetros de São Paulo. Lá, proprietários de autoescolas e despachantes se juntaram para tabelar os preços dos serviços.

Segundo o Cade, eles se encontravam para definir os valores e decidiram contratar uma empresa de tecnologia para criar um programa de computador e facilitar a organização do cartel. Funcionava assim: os interessados nos serviços ofertados só poderiam solicitá-los por meio de um site criado pelo grupo, que emitia um boleto – já com o preço combinado.

Uma associação do setor coordenava o funcionamento da página. Ela recolhia os pagamentos e distribuía o dinheiro entre as participantes do cartel, depois de descontar o percentual da empresa provedora do software.

De acordo com a investigação do Cade, o cartel operou de 2002 a 2011 pelo menos. No ano passado, as empresas participantes e a associação setorial foram condenadas a pagar R$ 880 mil em multas.

No Ceará, o Ministério Público descobriu um esquema para inibir a concorrência e dividir o mercado de placas de veículos. A pedido da associação local dos fabricantes, um sistema eletrônico foi criado para processar todas as solicitações de produção de placas feitas pelo DETRAN.

A companhia que operava o "Sistema Placa Eletrônica" distribuía os pedidos entre as empresas, conforme orientação da associação. O contemplado com o novo pedido era sempre o fabricante que estava com menor
volume de trabalho no período - e não aquele que oferecia o menor preço.

No início de 2015, o Cade condenou a associação e a empresa que criou o sistema por formação de cartel. Juntas, as multas aplicadas foram de cerca de R$ 360 mil.


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo