Banner juvino publicidade

Regional

Politica 13/02/2018 20:16 Fonte: Planeta Folha - Cristiano Will Lira

Prefeito de Rolim de Moura é “chicoteado” nas redes sociais após arrancar árvores para obras, inclusive na rua de sua casa

Prefeito de Rolim de Moura é “chicoteado” nas redes sociais após arrancar árvores para construção de Iluminação e Estacionamento, inclusive na rua de sua casa

As redes sociais pertencente aos munícipes de Rolim de Moura, tida como a “Capital da Zona da Mata”, nunca teve tão acalorada, como nestes últimos dias, o motivo para tal, é bem simples, o prefeito Luizão Ademir Schock (PSDB) tomou a decisão de arrancar as árvores dos canteiros centrais das Avenidas João Pessoa, Rio Branco e Recife, esta última avenida, é a de sua casa.

Acompanhe as notícias em tempo real, curtindo nossa página no FACEBOOK - CLIQUE AQUI!

Segundo uma “Placa” fixada no local, o ato de arrancar as arvores, se dão, pelo motivo que no local serão construídos, pavimentação em canteiros centrais de ruas e avenidas com iluminação, acessibilidade, calçadas e paisagismo, toda esta obra está orçada em R$ 1.038,588,89.

 

A decisão do prefeito, como sempre, não foi muito aceita pela população, o que mais levantou “ódio” dos munícipes foi o fato de arrancar as arvores e coloca-las como um “problema”, haja vista que as raízes crescem muito e acabam danificando as encanações e o asfalto, mas a explicação não caiu muito bem, pois na localidade, não estes problemas registrados até o momento.

Outro ponto que não pegou bem ao prefeito, foi a incluir a Av. Recife no projeto com a implantação da iluminação e o estacionamento, a rua não é de grande movimentação de veículos que usam estacionamentos, mas o local é de suma “importância”, pois ali é a casa do prefeito municipal, Luizão do Trento e de sua esposa, Carla Schock, pré-candidata a deputada.

Por meio da assessoria da prefeitura, o prefeito destacou que a obra é a maior no estado de Rondônia (Leia aqui), sem ele lembrar que a obra mais importante e maior no estado é a construção do Hospital no município de Seringueiras, orçada em mais de 5 milhões de reais, e outras mais pelo estado.

Vale ressaltar que o prefeito está viabilizando para o local mudas de Ipês, para plantar no local, mas observamos que as arvores arrancadas pela prefeitura nunca ficava sem folhas e podia ser controlada a altura das mesmas, com podas mensais. Já os Ipês como é de praxe não há possibilidade de poda e o crescimento é rápido, só que ao invés de crescer os galhos para os lados e manter a sombra, ele cresce apenas para cima e existe um período que o mesmo cai as folhas mantendo a cidade apenas com o visual de “varas” sem folhas, ficando bonito apenas na época de florido. Outro ponto que pode ser observado, é que no canteiro está situado a rede elétrica, que será também prejudicado à alguns anos à frente, com certeza em outras gestão.

Na casa de leis do município, o único vereador até o momento a se manifestar contrário, foi o Vereador Renato Cesar Morari (PPS), no qual registrou a sua indignação contra a atitude inconsequente dos cortes das árvores no município.

Leia a nota:

É com profunda indignação que registramos nosso manifesto a essa atitude inconsequente do corte de árvores no nosso município de Rolim de Moura que vem causando grande comoção e indignação da popular.

Diante deste fato, nos perguntamos: Qual a utilidade pública e o interesse social do corte de árvores? O que o Srº. Prefeito tem a dizer a respeito disso? Será que eles consideram uma vantagem para a população de Rolim de Moura a destruição dessas árvores? Será que eles avaliaram o impacto ambiental e social dessa medida? Faz parte das políticas públicas do município de Rolim de Moura destruir árvores? É necessária a destruição das arvores para construção de estacionamentos? Foi realizado estudo de viabilidade da necessidade de estacionamento nos locais onde estão sendo destruídas as árvores? Isso é uma vergonha para nosso município e representa um profundo retrocesso na preservação ambiental.

É dever da Prefeitura defender e preservar o meio-ambiente para as gerações presentes e futuras, assegurar condições de bem-estar público e promover a educação ambiental. Mas, ao contrário, o que o Professor Prefeito ensina às crianças de Rolim de Moura com este ato é a destruição do meio-ambiente, o descaso e a falta de respeito para com a sociedade.

O prefeito prestou um serviço à população de Rolim de Moura. Nunca a Prefeitura conseguirá recompor o patrimônio ambiental ora devastado.

Sem nenhum critério, Achou-se no direito de destruir, sobretudo, as lembranças de cidadãos que há muitos anos atrás foram lá e plantaram o sonho de ver uma Rolim de Moura mais bela, mais arborizada, mais cheia de vida. Com que direito? Será que ele pensa que tudo pode? Seria ele, pois, onipotente? Será que pensa ser o dono de Rolim de Moura?

Ora, só Deus é onipotente. O criador é aquele que tudo pode. E Rolim de Moura pertence a todos nós.

Mas podemos perceber que sim o prefeito se acha onipotente e proprietário de nossa cidade, a prova está na destruição das arvores da Av. Recife, lá atrás do Supermercado Trento, em frente à residência do onipotente. Local de grande dificuldade de vaga para estacionar os veículos, por isso será contemplado com a construção de um estacionamento.

Que vergonha, Sr. Prefeito como justificar esse ato, se o fato realmente se concretizar ficará na história.

Peço que a Prefeitura apresente o plano de revitalização da nossa cidade. Queremos saber o que tem de melhor nesse plano do que a nossa história, nossas lembranças, nossas árvores, nossa vida.

Será que a única alternativa técnica para o plano de revitalização e construção de estacionamento do Sr. Prefeito era acabar com a vida das árvores? Não seria uma contradição, um plano de revitalização que não traz vida nova e sim acaba com a vida existente?

E ficam as seguintes perguntas no ar: Quanta essa paisagista (se tiver) está recebendo para destruir a nossa cidade? Quanto vai custar aos cofres públicos este ato inconsequente do Prefeito?

Gostaríamos de deixar claro que iremos procurar o Ministério Público para que este faça uso de sua legitimidade para apure e proponha ação de responsabilidade civil e criminal, se for o caso, pelos danos causados ao meio-ambiente com a expectativa de que esta séria instituição se sensibilize com a nossa causa, ao tempo em que CONCLAMAMOS TODA A SOCIEDADE A MANIFESTAR SUA INDIGNAÇÃO COM ESTE ATO LEVIANO.

Outra coisa, estas arvores estão plantadas a anos e nunca deu problema como foi citado por alguns servidores da prefeitura no qual em um comentário no Facebook disse que estas arvores são prejudiciais devido suas raízes.

Detalhe, até agora estas arvores não havia prejudicado nada, não prejudicou encanamento, o asfalto não foi danificado pelas raízes, então se tem esta arvores plantadas a muitos anos e nunca prejudicou nada, não vejo por que arranca-las.

Fonte: Planeta Folha - Cristiano Will Lira


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9842-96737

atendimento@planetafolha.com.br

2016 - 2018: Planeta Folha é uma publicação de Planeta Folha - ME. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização por escrita da direção, mesmo citando a fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato! ou fale diretamente com nossa redação - (Fale conosco pelo WhatsApp)
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo