Banner juvino publicidade

Política

Politica 14/11/2017 11:46 Fonte: Assessoria

Comissão especial da JBS ouve representantes da Procuradoria Geral do Estado

Segundo a PGE, dívida em execução atual soma apenas R$ 5 milhões, mas há outro valor não informado em negociação junto à Sefin

A comissão especial para apurar possíveis desvios de recursos praticados pela empresa JBS/Friboi em Rondônia, presidida na reunião da tarde desta segunda-feira (13) pelo deputado Jesuíno Boabaid (PMN), ouviu o procurador geral do Estado, Juraci Jorge, e o procurador fiscal, Sergio Abreu Junior, para saber do andamento das ações contra a empresa.

O procurador geral informou que a empresa conta hoje com isenção fiscal de 85% de crédito presumido, e que hoje, na Procuradoria, não há dívidas da JBS com o Estado a ponto de execução. 

O procurador da Procuradoria Fiscal, Segio Abreu Junior, destacou que a prática da empresa é a de adquirir frigoríficos, “mas não assumir suas dívidas”. Portanto, o que existe hoje de dívida com o Estado são cerca de R$ 5 milhões de plantas adquiridas e que possuíam débitos com o fisco estadual e que estão em fase de ajuizamento. 

Para receber noticias exclusivas em seu Facebook, é só CLICAR AQUI, e curtir a nossa página!

O deputado Jesuíno questionou os motivos de não haver dívidas, tendo em vista que o secretário da Sefin, Vagner Freitas, informou valores altíssimos, que não podem ser revelados, pois correm em segredo de Justiça. 

O procurador Juraci informou à comissão que os valores não chegaram a Procuradoria, pois são primeiramente levantados pela Sefin que busca junto ao devedor uma negociação. Em não havendo acordo o processo é enviado para que a Procuradoria entre com as devidas execuções e inscrição na dívida ativa. 

Juraci também frisou que o Estado tem parceria com o Ministério Público para cobrança dos grandes devedores. “Há processos administrativos na Fazenda e saindo sentença o processo segue para a Procuradoria para a execução”, disse o procurador geral. 

O deputado Anderson do Singeperon (PV) lembrou que no Mato Grosso houve as ações dos entes públicos, o grupo JBS perdeu a isenção fiscal e teve de recolher valores aos cofres públicos. 

Sergio disse, em relação aos benefícios, que a empresa conseguiu mantê-los junto ao Conselho de Desenvolvimento do Estado, enquanto isso foi dado um prazo para que faça o recolhimento de impostos devidos, caso contrário também perderá o benefício. 

O deputado Jesuíno se disse satisfeito com as observações da Procuradoria e que nesta semana será realizada reunião com o secretário Vagner para buscar a informação das negociações do grupo com o Estado e estando tudo em conformidade, a comissão poderá encaminhar o relatório final, “dando uma resposta à sociedade”.


Veja também sobre Politica Rondônia JBS
Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9992-49411

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo