Banner juvino publicidade

Política

Cerco fechado! 18/05/2017 10:35 Último Segundo - IG

Temer confirma encontro com Joesley Batista, mas nega pagamento para Cunha

Em comunicado, presidente Michel Temer diz que reunião com dono da JBS houve, mas que não "participou e nem autorizou qualquer movimento" com o objetivo de evitar uma delação de Eduardo Cunha

O presidente Michel Temer (PMDB) se pronunciou na noite desta quarta-feira (17) e negou a informação de que teria solicitado e aprovado um pagamento para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha  (PMDB), informação esta veiculada pelo jornal "O Globo" horas antes.

Em nota oficial divulgada pelo Palácio do Planalto, Temer  confirma o encontro com Joesley Batista, dono da JBS, no início de março, mas que em nenhum momento foi discutido o silêncio de Cunha e "não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar a delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar".

Temer comunicou ainda que "defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa" e pede a "responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados".

Confira a nota de Temer na íntegra:

"O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados."

Entenda o caso envolvendo o presidente Michel Temer

De acordo com informações obtidas por Lauro Jardim, colunista do jornal "O Globo", os proprietários da JBS, Joesley e Wesley Batista, afirmaram em delação premiada que possuem uma gravação na qual Temer aprova o pagamento de uma "mesada" para calar o ex-deputado Eduardo Cunha e o operador de propinas Lúcio Funaro, ambos presos. Ao saber desta informação, o presidente teria solicitado que a prática não parasse: "Tem que manter isso". 

No depoimento aos procuradores, Joesley revelou que a ordem da mesada na cadeia não partiu de Temer, mas que o presidente tinha total conhecimento de toda a operação.

Outra informação veiculada pelo jornal que atinge o presidente diretamente é a de que Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), homem de confiança de Temer e ex-assessor especial da Presidência, teria recebido R$ 500 mil de propina para cuidar de uma pendência da J&F, holding que controla a JBS. A pendência, no caso, seria a disputa entre a Petrobras e a J&F sobre o preço do gás fornecido pela estatal para a termelétrica EPE.

Ao ser indagado por Joesley sobre quem poderia ajudar a resolver esta situação a seu favor, Temer teria apenas respondido para falar "com o Rodrigo". A pendência foi resolvida mediante um pagamento de R$ 500 mil semanais por 20 anos, tempo que duraria o acordo com a EPE. Apenas a primeira parcela de R$ 500 mil foi paga, segundo a reportagem de Lauro Jardim.


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo