Banner juvino publicidade

Polícia

Loucura! 01/12/2017 22:44 Fonte: Folha Max

Jovem brasileira viaja nas férias para se encontrar com jovem na Síria e desaparece

A família de Juliana Cruz, que mora em Cuiabá, procurou a PF para registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento. O órgão afirma que mantém contato com a embaixada do Brasil na Síria e que a investigação está sob sigilo.

A auxiliar administrativo da Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), Juliana Cruz, é considerada desaparecida após ter viajado para Síria, no último dia 14 de novembro. O caso de desaparecimento só foi registrado na quarta-feira (29), após a família não conseguir mais contato com a moça. 

As informações são de que Juliana, que mora em Cuiabá, teria viajado para o país para se encontrar com um rapaz, de nome Sheraz Re. A Polícia Federal informou que existe uma investigação em andamento para descobrir o paradeiro da jovem.

ATENÇÃO: Quer acompanhar mais informações exclusivas? CURTA nossa página no Facebook, CLICANDO AQUI!

Segundo a corporação, o caso já foi comunicado ao Consulado da Cidade de Damasco, na Síria – local aonde a jovem iria se encontrar com o rapaz. Em uma busca na rede social de Juliana é possível identificar que os dois trocam mensagens.

Em uma foto publicada pela auxiliar, o rapaz comenta uma frase “não podemos nos render”. Já na rede social de Sheraz RE , uma foto em que ele aparece com uma arma descreve frases referente a guerrilha que o pais passa atualmente. “Como é que vocês vivem aqui? Não estamos a viver, só estamos a adiar a morte, até que a vida nos assente. #sheraz?”, diz texto escrito em árabe pelo rapaz.

A postagem foi realizada em setembro deste ano. Na página de Juliana, a última postagem é com a localização do aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

Alguns amigos da moça tentaram entrar em contato com ela pela rede social, mas até o momento a jovem não respondeu. O chefe do Núcleo de Inteligência Policial, delegado Murilo Almeida Gimenes, informou que está em contato com a embaixada do Brasil na Síria e que a investigação segue sigilosa.

NOTEBOOK E GUERRA

A AMM, por meio de nota, informou que não houve nenhuma ação da Polícia Federal na instituição relacionada ao sumiço de Juliana Cruz. Porém, está fornecendo dados que possam a auxiliar a Polícia Federal a descobrir o paradeiro dela. “Com intuito de auxiliar nas investigações, o notebook que era utilizado pela funcionária, foi cedido para que a Polícia Federal possa extrair alguma informação relevante. Dentro do possível, a AMM está auxiliando a polícia, com as poucas informações que detém sobre o caso”, diz a nota. 

Segundo a associação, o retorno da servidora a Cuiabá já era para ter ocorrido. Já a volta ao serviço está prevista para a próxima semana. 

Localizada na Ásia Ocidental, a República Árabe da Síria está em guerra civil desde 2011 sob o comando do ditador Bashar al-Assad. O país é considerado um dos mais radicais em relação ao extremismo islâmico.

NOTA DA AMM

Associação Mato-grossense dos Municípios, esclarece sobre as notícias veiculadas sobre o suposto desaparecimento da funcionária Juliana Cruz. A AMM informa que não foi realizada nenhuma diligência pela Polícia Federal na sede da instituição para apreender o computador que era utilizado pela funcionária. Com intuito de auxiliar nas investigações, o notebook que era utilizado pela funcionária, foi cedido para que a Polícia Federal possa extrair alguma informação relevante. Dentro do possível, a AMM está auxiliando a polícia, com as poucas informações que detém sobre o caso.   

A funcionária Juliana Cruz não é assessora jurídica da AMM. Ela trabalha como auxiliar administrativo na Coordenação Jurídica da instituição. Juliana está em férias, com a previsão de retorno as suas funções na próxima semana.

A Diretoria e os funcionários da Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM estão sensibilizados com o ocorrido com a funcionária Juliana Cruz e são solidários com toda a família neste momento de muita preocupação e angústia.  Juliana está supostamente desaparecida, pois teria que ter retornado esta semana da Síria, para onde viajou no início deste mês. Porém, não retornou e há dias não entra em contato com a família.

A AMM se solidariza com a situação, mas ressalta que em período de férias os funcionários têm liberdade para viajar para onde quiserem, pois se trata de uma decisão pessoal e particular. Porém, anseia que o caso seja esclarecido o mais breve possível na esperança de que a funcionária retorne ao país, bem como aos quadros funcionais da instituição.


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo