Mundo

Planeta 09/06/2017 06:03 Uol

Astrônomos descobrem planeta quase tão quente quanto o Sol

Cientistas encontraram um planeta cuja superfície tem uma temperatura que supera os 4 mil graus Celsius –ou seja, é quase tão quente quanto o Sol.Cientistas encontraram um planeta cuja superfície tem uma temperatura que supera os 4 mil graus Celsius –ou seja, é quase tão quente quanto o Sol.

Chamado pelos astrônomos de KELT-9b, ele orbita uma estrela muito quente e, além disso, fica muito perto dela, o que explica sua altíssima temperatura.

Prova dessa proximidade é que o planeta completa uma órbita ao redor da estrela em apenas dois dias –para comparação, a Terra leva um ano para dar a volta em torno do Sol.

Estar perto assim da estrela significa que o KELT-9b não conseguirá existir por muito tempo –os gases em sua atmosfera estão explodindo o tempo todo com a radiação, perdendo-se no espaço.

Pesquisadores afirmam que o planeta se assemelha a um cometa, pois circula a estrela de um polo a outro –mais um aspecto estranho da descoberta.

As novidades foram divulgadas na publicação científica "Nature".

ESTRANHO E RARO

As características e propriedades raras do KELT-9b também foram apresentadas nesta segunda-feira (5) na reunião de primavera da Sociedade Americana de Astronomia, realizada em Austin, no Texas.

"Nós descobrimos o KELT-9b ainda em 2014. E levou todo esse tempo para que finalmente nos convencêssemos de que esse mundo completamente estranho e raro era realmente um planeta orbitando outra estrela", disse à BBC Scott Gaudi, professor da Universidade Estadual de Ohio.

Extremamente brilhante, estrela deve ter vida curta se comparada à do sol

"Nós sabemos o tamanho do planeta e o quão maciço ele é: cerca de três vezes a massa de Júpiter e duas vezes o tamanho de Júpiter", contou.

"Também conhecemos as propriedades da estrela: ela tem uma massa duas vezes e meia maior que a do Sol e é quase duas vezes mais quente que ele. E está girando muito rápido, então pareceria muito achatada aos nossos olhos."

O movimento do planeta está, de certa forma, bloqueado pela estrela –ele mantém a mesma face virada para ela. Assim como a nossa Lua faz –ela nunca mostra à Terra seu lado oposto.

Essa característica faz a temperatura do "lado diurno" do KELT-9b chegar a 4,3 mil graus Celsius –mais quente do que a média registrada na superfície de uma anã vermelha, o tipo de estrela mais comum na Via Láctea.

DESTRUIÇÃO À VISTA

A estrela principal, conhecida como KELT-9, irradia tanta luz ultravioleta que pode corroer completamente a atmosfera do planeta.

A equipe de Gaudi calcula que, com isso, cerca de 10 bilhões ou até 10 trilhões de gramas de material podem estar sendo perdidas por segundo.

Se o KELT-9b possuir um núcleo rochoso, ele poderá ficar completamente exposto em algum momento, mas o cenário mais provável é que o planeta acabe "engolido" pela estrela.

A KELT-9 é classificada como uma estrela do tipo A, o que significa que ela brilha bastante e terá uma vida breve.

Os exemplares dessa classe existem apenas por milhões de anos, em vez dos bilhões de anos estimados para a vida do nosso Sol, por exemplo.

Por causa disso, pode não demorar para que a KELT-9 inche, conforme seu combustível se esgote, e "engula" o planeta.

A descoberta foi feita usando um sistema telescópico avançado, optimizado para registrar estrelas brilhantes.

A Universidade Estadual de Ohio opera o sistema em dois lugares –um no Hemisfério Norte e outro no Sul. O trabalho é feito em parceria com as universidades Vanderbilt e Lehigh e o Observatório Astronômico Sul-Africano.


Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772 - (69) 9937-71115

atendimento@planetafolha.com.br

Eu curto o Planeta Folha!

Licença Creative Commons
Os conteúdos e dados deste site estão publicados sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional — Atribuir Fonte - Compartilhar Igual..
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo