Banner juvino publicidade

Mundo

Planeta 09/06/2017 06:03 Uol

Astrônomos descobrem planeta quase tão quente quanto o Sol

Cientistas encontraram um planeta cuja superfície tem uma temperatura que supera os 4 mil graus Celsius –ou seja, é quase tão quente quanto o Sol.Cientistas encontraram um planeta cuja superfície tem uma temperatura que supera os 4 mil graus Celsius –ou seja, é quase tão quente quanto o Sol.

Chamado pelos astrônomos de KELT-9b, ele orbita uma estrela muito quente e, além disso, fica muito perto dela, o que explica sua altíssima temperatura.

Prova dessa proximidade é que o planeta completa uma órbita ao redor da estrela em apenas dois dias –para comparação, a Terra leva um ano para dar a volta em torno do Sol.

Estar perto assim da estrela significa que o KELT-9b não conseguirá existir por muito tempo –os gases em sua atmosfera estão explodindo o tempo todo com a radiação, perdendo-se no espaço.

Pesquisadores afirmam que o planeta se assemelha a um cometa, pois circula a estrela de um polo a outro –mais um aspecto estranho da descoberta.

As novidades foram divulgadas na publicação científica "Nature".

ESTRANHO E RARO

As características e propriedades raras do KELT-9b também foram apresentadas nesta segunda-feira (5) na reunião de primavera da Sociedade Americana de Astronomia, realizada em Austin, no Texas.

"Nós descobrimos o KELT-9b ainda em 2014. E levou todo esse tempo para que finalmente nos convencêssemos de que esse mundo completamente estranho e raro era realmente um planeta orbitando outra estrela", disse à BBC Scott Gaudi, professor da Universidade Estadual de Ohio.

Extremamente brilhante, estrela deve ter vida curta se comparada à do sol

"Nós sabemos o tamanho do planeta e o quão maciço ele é: cerca de três vezes a massa de Júpiter e duas vezes o tamanho de Júpiter", contou.

"Também conhecemos as propriedades da estrela: ela tem uma massa duas vezes e meia maior que a do Sol e é quase duas vezes mais quente que ele. E está girando muito rápido, então pareceria muito achatada aos nossos olhos."

O movimento do planeta está, de certa forma, bloqueado pela estrela –ele mantém a mesma face virada para ela. Assim como a nossa Lua faz –ela nunca mostra à Terra seu lado oposto.

Essa característica faz a temperatura do "lado diurno" do KELT-9b chegar a 4,3 mil graus Celsius –mais quente do que a média registrada na superfície de uma anã vermelha, o tipo de estrela mais comum na Via Láctea.

DESTRUIÇÃO À VISTA

A estrela principal, conhecida como KELT-9, irradia tanta luz ultravioleta que pode corroer completamente a atmosfera do planeta.

A equipe de Gaudi calcula que, com isso, cerca de 10 bilhões ou até 10 trilhões de gramas de material podem estar sendo perdidas por segundo.

Se o KELT-9b possuir um núcleo rochoso, ele poderá ficar completamente exposto em algum momento, mas o cenário mais provável é que o planeta acabe "engolido" pela estrela.

A KELT-9 é classificada como uma estrela do tipo A, o que significa que ela brilha bastante e terá uma vida breve.

Os exemplares dessa classe existem apenas por milhões de anos, em vez dos bilhões de anos estimados para a vida do nosso Sol, por exemplo.

Por causa disso, pode não demorar para que a KELT-9 inche, conforme seu combustível se esgote, e "engula" o planeta.

A descoberta foi feita usando um sistema telescópico avançado, optimizado para registrar estrelas brilhantes.

A Universidade Estadual de Ohio opera o sistema em dois lugares –um no Hemisfério Norte e outro no Sul. O trabalho é feito em parceria com as universidades Vanderbilt e Lehigh e o Observatório Astronômico Sul-Africano.


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo