Banner juvino publicidade

Mato Grosso

Polícia 22/06/2017 08:18 G1/MT

Jovem que ostentava na web e que recebia Bolsa Família é presa pela 2ª vez

A manicure Lúbia Camilla Pinheiro Gorgete, de 26 anos, acusada de fazer parte de uma quadrilha de roubo a bancos em Mato Grosso, voltou a ser presa preventivamente. A prisão foi decretada pela juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, no dia 8 de junho. A ré havia conseguido em maio prisão domiciliar por ter duas filhas menores de idade, mas foi constatado pela Justiça que ela não tem a guarda de uma das meninas e que a outra não mora com a mãe.

O advogado Rafael Moreira, que defende a manicure, disse que ela é inocente e que vai recorrer da prisão no Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Lúbia, que recebia o benefício do Bolsa Família, foi presa no dia 4 de maio, durante a operação Luxus, da Polícia Civil, que investigou assaltantes de bancos que ostentavam com fotos nas redes sociais as viagens e outros gastos com o dinheiro dos roubos. Na semana passada, a Justiça aceitou denúncia contra os 15 membros da quadrilha. A jovem teria um relacionamento amoroso com um dos principais integrantes do grupo.

A primeira prisão preventiva da manicure havia sido decretada pela Comarca de Poconé, a 104 km de Cuiabá. Entretanto, a defesa recorreu e conseguiu reverter a prisão preventiva em prisão domiciliar, alegando que a acusada tem duas filhas menores de 12 anos. O Ministério Púlbico do Estado, porém, pediu à Justiça que Lúbia fosse presa novamente e a acusou de ter participação ativa nos crimes.

Ao aceitar os argumentos do MPE, a juíza Selma Rosane disse que, embora Lúbia não tenha antecedentes criminais, ela tinha importante atuação na quadrilha, "dando apoio material, logístico e moral" aos criminosos. E abrigou em seu apartamento "os demais comparsas", antes e depois dos crimes cometidos.

A magistrada disse ainda que a Justiça de Poconé foi induzida ao erro ao conceder a prisão domiciliar. Segundo dados judiciais, a guarda de uma das meninas, de 6 anos, está com a avó materna, porque Lúbia teria exposto a criança a situações de risco - consumo excessivo de bebidas alcoólicas e relacionamentos com pessoas que usavam drogas. A manicure teria ainda permitido que a filha ficasse sob a responsabilidade de pessoas incapacitadas para isso.

A avó já pediu a guarda da outra menina, que também mora com ela. "Portanto, à míngua de outros elementos, tenho que não é o caso de conceder à Representada o benefício da prisão domiciliar", disse a juíza na decisão.

A magistrada decretou ainda o bloqueio de até R$ 2 milhões da conta bancária de Lúbia. O valor é referente a R$ 1,2 milhão roubados de uma agência bancária em Cuiabá, e os outros R$ 800 mil, foram furtados de um banco em Poconé.


Veja também sobre Polícia Mato Grosso
Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9992-49411

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo