Banner juvino publicidade

Educação

Artigos 28/11/2017 22:07 Fonte: Planeta Folha - por Prof. POLINI

Metodologias ativas na Educação - por Prof. Polini

A sociedade do conhecimento impôs uma nova forma de relação entre os profissionais de educação e os estudantes. Isso nos remete a uma avaliação sobre as novas formas de atuação enquanto professor. As metodologias ativas estão muito em voga contemporaneamente. Existem conteúdos que devem ser apresentados à maneira “tradicional”, mas existem outros que podem ser trabalhados de maneira diferenciada.  E aí vem a seguinte questão? Será que os nossos estudantes querem esse ensino mais “ativo”? Ou ainda são “conservadores” preferindo escutar o professor falar, falar e falar?

Deve ficar do exposto é a necessidade de que a educação não pode ceder a modismos mercadológicos, e sim focar em ações de garantia de sucesso do estudante. A educação nunca caminhou a passos largos e, embora ela não consiga acompanhar o ritmo frenético com que a sociedade avança, ela tem se mostrado aberta ao uso de novas abordagens, currículos e principalmente as tecnologias.

ATENÇÃO: Acompanhe mais noticias como está curtindo a nossa página no Facebook, CLIQUE AQUI!

É triste ouvir que a culpa é apenas dos professores, isso é um desprezo a toda história de luta dos docentes nas salas de aula, que há anos praticam a verdadeira metodologia ativa, utilizando-se de mil maneiras para que seu aluno aprenda, e que hoje tem de escutar que as metodologias ativas são algo inovador e que irão resolver muitos dos problemas da aprendizagem. Na educação não podem existir receitas que se apliquem a todos; a sua complexidade deve ser entendida e respeitada. Uma aula deve ter reciprocidade, pois não acontece sem a atividade do professor, nem do estudante. Mas o objetivo, aqui, não é desprezar todo o caminho que a educação vem percorrendo para se reinventar e se adaptar a essa contemporaneidade que está, no momento, em um estado aparentemente permanente de crise. O objetivo é, ao contrário, é trazer à tona, também, toda a complexidade em que o processo educativo se envolve.

Será que os estudantes estão preparados para retomar as rédeas? Eles querem assumir o volante de sua própria aprendizagem ou ainda preferem um professor mais presente que expõe conteúdos em vez daquele que organiza a turma para exposições por parte dos aprendentes, as quais chamam erroneamente de “seminários”? O professor, ao fazer o uso de metodologias ativas, um conceito que carece de limites e definições, faz com que o estudante “volte” a ser o centro do processo de ensino e de aprendizagem, ou seja, o mestre provê mais “autonomia” ao estudante para que ele próprio guie seu caminho rumo às aprendizagens que deseja. Na teoria, as metodologias ativas referem-se a todas aquelas que se diferem do modelo tradicional: o professor falando e os estudantes escutando. Essa nomenclatura acaba por tentar inserir, em um mesmo pacote, toda a inovação pela qual a educação vem passando. Eu não consigo aprender pelo meu estudante; o processo de ensino é meu e o de aprendizagem é dele, mas eu também aprendo, e ele também ensina, mas cada um abstrai o conhecimento que lhe convém.

Prof.POLINI
Licenciado em Geografia e História

Especializado em Gestão e Educação Ambiental


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo