Banner juvino publicidade

Economia

Aprovado! 04/05/2017 06:28 Ig

Comissão especial aprova relatório final sobre a reforma da Previdência

Texto foi aprovado por 23 votos a 14 e, após apreciação dos destaques, poderá ser enviado a plenário, onde é necessário o apoio de 308 deputados

O relatório final do deputado Arthur Maia (PPS-BA) sobre a reforma da Previdência (PEC 287/16) foi aprovado no início da noite desta quarta-feira (3) pela comissão especial da Câmara encarregada de debater o tema. Após a votação dos destaques – que são mudanças no texto-base –, a matéria será enviada para apreciação do plenário.

O texto foi aprovado por 23 votos a 14, o que indica que o governo federal – autor da PEC – não teve dificuldades para passar o projeto. Eram necessários os votos favoráveis de pelo menos 19 dos 37 parlamentares que integram a comissão especial da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Votaram contra PT, PCdoB, PSOL, Rede e PDT. Partidos da base aliada como o Solidariedade (SD), o PHS, o PTB, Pros, PSB, PMB, PTdoB, PSDB, DEM, PMDB, PSC, PP, PRB, PPS, PV e PEN votaram a favor.

Após a votação dos destaques – o que ocorrerá ainda nesta noite –, o projeto poderá ser levado ao plenário. A intenção do governo é de levar a PEC a votação em plenário na segunda metade deste mês. Por se tratar de uma mudança na Constituição, a proposta precisará de pelo menos 308 votos favoráveis no plenário para ser enviada ao Senado.

Mais cedo, Arthur Maia recuou e incluiu os agentes penitenciários nas mudanças de seu relatório sobre a reforma previdenciária . As alterações foram feitas depois da abertura da reunião de votação do parecer pelos membros da comissão que trata da reforma. Ontem, a categoria fez protesto em Brasília e invadiu a sede do Ministério da Justiça.

Critérios

O texto garante aos policiais legislativos da Câmara e do Senado e aos agentes penitenciários idade mínima para a aposentadoria de 55 anos, a mesma dos policiais. Os critérios para a aposentadoria de agentes penitenciários deverão ser definidos em lei complementar. Ficou definido ainda que para se aposentar o agente terá de comprovar pelo menos 25 anos de atividade.

O relator incluiu ainda permissão para que o cálculo do valor da pensão por morte de servidor em atividade seja baseado na aposentadoria por incapacidade permanente ou voluntária. O projeto permite também que a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios possam, mediante licitação, patrocinar planos de previdência de entidades fechadas de previdência complementar que não tenham sido criadas pelos entes públicos.

Salário integral

A proposta inicial do relator era de que a integralidade do salário deveria ser mantida, desde que os servidores trabalhem até os 65 anos de idade, sem transição. Depois dos protestos, Maia propôs como transição o pagamento de um pedágio maior pelos servidores, além do cumprimento da idade de forma gradual. Contudo, Maia disse que não houve acordo e a questão segue em aberto.

O relator fez alguns esclarecimentos sobre determinados pontos do relatório sobre a reforma da Previdência. Depois da leitura do documento, os deputados apresentaram requerimentos de destaques à proposta.


Veja também sobre Reforma Trabalhista Politica
Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo