Banner juvino publicidade

Brasil

Politica 18/10/2017 00:09 Fonte: O dia

Com votos de Valdir Raupp e Ivo Cassol, Senado derruba decisão do STF e devolve mandato de Aécio Neves

Casa registrou 44 votos 'não', contrários ao STF e 26 'sim'. Ivo Cassol e Valdir Raupp votaram pelo salvamento de Aécio Neves

Brasília - O Senado derrubou, na noite desta terça-feira, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) contra Aécio Neves (PSDB), que mantinha o tucano afastado de suas funções. Com 44 votos 'não', contrários à decisão da Primeira Turma do STF, os parlamentares devolveram o mandato a Aécio. Outros 26 senadores votaram 'sim', pelo seu afastamento. O número é exatamente a estimativa que os parlamentares tucanos fizeram mais cedo.

Aécio Neves estava afastado do cargo desde 1º de setembro. A votação ocorre após a maioria dos ministros do STF decidir, na semana passada, que o tribunal não pode afastar parlamentares por meio de medidas cautelares sem o aval do Congresso Nacional. A Primeira Turma da Corte havia decidido, por 3 votos a 2, afastar Aécio do exercício do mandato ao analisar pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) no inquérito em que o tucano foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações premiadas dos executivos da J&F.

Salvaram Aécio

Airton Sandoval (PMDB-SP); Antonio Anastasia (PSDB-MG); Ataides Oliveira (PSDB-TO); Benedito de Lira (PP-AL); Cassio Cunha Lima (PSDB (PB); Cidinho Santos (PR-MT); Ciro Nogueira (PP-PI); Dalirio Deber (PSDB-SC); Dario Berger (PMDB-SC); Davi Alcolumbre (DEM-AP); Edison Lobão (PMDB-MA); Eduardo Amorim (PSDB-SE); Eduardo Braga (PMDB-AM); Eduardo Lopes (PRB-RJ); Elmano Férrer (PMDB-PI); Fernando Coelho (PMDB-PE); Fernando Collor (PTC-AL); Flexa Ribeiro (PSDB -PA); Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN); Hélio José (PROS-DF); Ivo Cassol (PP-RO); Jader Barbalho (PMDB-PA); João Alberto Souza (PMDB-MA); José Agripino (DEM-RN); José Maranhão (PMDB-PB); José Serra (PSDB-SP); Maria do Carmo Alves (DEM-SE); Marta Suplicy (PMDB-SP); Omar Aziz (PSD-AM); Paulo Bauer (PSDB-SC); Pedro Chaves (PSC-MS); Raimundo Lira (PMDB-PB); Renan Calheiros (PMDB-AL); Roberto Rocha (PSDB-MA); Romero Jucá (PMDB-RR); Simone Tebet (PMDB-MS); Tasso Jereissati (PSDB-CE); Telmário Mota (PTB-RR); Valdir Raupp (PMDB-RO); Vicentinho Alves (PR-TO); Waldemir Moka (PMDB-MS); Wellington Fagundes (PR-MT); Wilder Morais (PP-GO) e Zezé Perella (PMDB-MG).

Obedeceram ao STF

Acir Gurgacz (PDT-RO); Alvaro Dias (Pode-PR); Ana Amélia (PP-RS); Ângela Portela (PDT-RR); Antonio Valadares (PSB-SE); Fátima Bezerra (PT-RN); Humberto Costa (PT-PE); João Capiberibe (PSB-AP); José Medeiros (PODE-MT); José Pimentel (PT-CE); Kátia Abreu (PMDB-TO); Lassier Martins (PSD-RS); Lídice da Mata (PSB-BA); Lindbergh Farias (PT-RJ); Lúcia Vânia (PSB-GO); Magno Malta (PR-ES); Otto Alencar (PSD-BA); Paulo Paim (PT-RS); Paulo Rocha (PT-PA); Randolfe Rodrigues (Rede-AP); Regina Sousa (PT-PI); Reguffe (DF) Roberto Requião (PMDB-PR); Romário (PODE-RJ); Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Walter Pinheiro (BA)

Debate

Antes de abrir o painel para a votação, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), concedeu a palavra para cinco senadores favoráveis e cinco contrários à decisão do Supremo. Para Jader Barbalho (PMDB-PA), os ministros do STF tomaram uma decisão "equivocada". "Não venho a esta tribuna dizer que meu voto será por mera solidariedade ao senador Aécio. Com todo respeito a ele, estou longe de aceitar sua procuração ou sua causa. Não estou nesta tribuna anunciando voto em razão do que envolve o senador. Voto em favor da Constituição. Ministro do Supremo não é legislador, não é poder constituinte. Quem escreve a Constituição é quem tem mandato popular", argumentou.

Já o senador Álvaro Dias (Pode-PR) criticou o que classificou de “impasse” surgido a partir do instituto do foro privilegiado. “A decisão do Supremo Tribunal Federal, corroborada pelo Senado, vem na contramão da aspiração dos brasileiros, que é de eliminar os privilégios. Nós estamos alimentando-os. Não votamos contra o senador, votamos em respeito à independência dos Poderes, em respeito a quem compete a última palavra em matéria de aplicação e interpretação da Constituição, que é o Supremo Tribunal Federal”, disse.

Antes da votação, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que visitou Aécio nesta terça-feira, também defendeu o parlamentar mineiro. "A votação hoje é muito além do caso do senador Aécio, a situação dele terá seguimento no STF, qualquer que seja o resultado. Algumas pessoas imaginam que ele foi julgado hoje em definitivo. Ele continuará sua jurisdição na Suprema Corte. Não há que se falar em impunidade. Isso até é um desrespeito à Suprema Corte. Os ministros do STF vão, a partir dos autos do processo, se isso virar um processo, porque estamos na fase de inquérito, absolver ou condená-lo, de acordo com as provas que tiver nos autos desse processo", disse.

Mais cedo, o PT havia anunciado voto contrário a Aécio. Antes, havia se posicionado defendendo que o Legislativo tem o poder de revisar medidas cautelares impostas pelo Supremo.


Veja também sobre politica Senado Federal
Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9992-49411

atendimento@planetafolha.com.br

2016 - 2018: Planeta Folha é uma publicação de Planeta Folha - ME. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização por escrita da direção, mesmo citando a fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo