Artigos

Artigos 05/10/2017 17:32 Fonte: Planeta Folha - por Prof.POLINI

Educação Tecnológica - Quando há educação não existem fronteiras

Tive a oportunidade de lecionar para acadêmicos do curso superior em Pedagogia no período de 2014 a 2016, http://lattes.cnpq.br/5162340250321994. Ministrava aulas nas disciplinas de Fundamentos Teóricos e Metodológicos no Ensino de Geografia, Educação Ambiental e Fundamentos Teóricos e Metodológicos no Ensino de História, para o 5º e 6º períodos respectivamente. Conforme planejamento instituído pela coordenação acadêmica, era necessário dialogarmos sobre a tecnologia no processo educacional. E neste feedback, surgiu uma colocação que em meu crivo era relevante para as expectativas dos meus acadêmicos que brevemente iriam estar inseridos no mercado de trabalho educacional. A colocação era sobre problemática que envolvia as populações que geograficamente se encontravam nas mais remotas distâncias dos perímetros urbanos, com inúmeras reclamações das comunidades no que tange a falta de professores e aulas. Um de meus acadêmicos citou: Prof. Polini, “Quando há educação não existem fronteiras”. Isso porque, a mesma é um instrumento transformador e a tecnologia deve ser utilizada como ferramenta didática e pedagógica, auxiliando os professores a provocarem a curiosidade nos estudantes possibilitando-os assim adquirir e compartilhar novos conhecimentos.

Relevante esta fala, pois nós educadores estamos inseridos e presenciando cotidianamente o avanço tecnológico, com diversas situações sendo ofertadas em diferentes plataformas online, desse modo faz-se necessário entendê-lás, pois são ferramentas que vêem para auxiliar na construção e consolidação da interação no âmbito de nossas escolas. Inovações que permitirá aos nossos estudantes terem seu direito de fato garantido, que são aulas de qualidade, que vem contribuir na sua formação educacional e cidadã, porém como citado no início, temos várias localidades que infelizmente existe a falta de professores, isso se acentua devido a diferentes fatores, já com este avanço tecnológico todos se beneficiam e possam estar exercendo novas experiências com aulas dinamizadas, com profissionais especializados, entre outras concepções que irão somar em beneficio de nosso público estudantil.

 Aqui em nosso estado Rondônia, devemos destacar a valiosa contribuição de uma amiga estimável que tenho, uma excepcional Professora(Doutoranda), que assim como muitos de nós Professores -  acredita na educação, e aos que não sabem, quando ela esteve como Secretária Estadual de Educação – SEDUC, viu com olhos de lince,  e acreditou em oportunizar uma parceria com o IFRO para que esta nova metodologia na realização de aulas transmitidas para todos os locais do estado com este problema pudesse acontecer. Me refiro a professora Fátima Gavioli, que deixou em mais um de seus legados esta que é uma realidade na educação estadual, pois práticas e novos domínios de linguagens, estudo de diversos conteúdos vem ultrapassando aquela tradição verbal, ou seja, trata-se da educação não formal. Leitores, é notório que a tecnologia vem oferecer uma comunicação/informação que são fundamentais para disseminar os conteúdos assim, surgirá às novas formas de interação e aprendizado que vem para estimular o ato de criar, publicar, curtir e compartilhar na web. Cito aqui, o ensino com MEDIAÇÃO TECNOLÓGICA. Um projeto de Ensino Médio tendo como base legal a LDB n.9394/96, seguindo as Resoluções Nº 04/2010-CNE/CEB, Nº 02/2012-CNE/CEB, Nº 095/2003-CEE/RO e Nº 01.166-CEE/RO. Sendo estabelecido por meio da Portaria Nº 680/2016-GAB/SEDUC, de 08/03/2016, visando a concomitância com o Ensino Profissionalizante para oportunizar a inserção do jovem no mundo do trabalho, continuidade dos estudos e o exercício da cidadania.

 Alguns questionamentos foram citados, e as contrariedades existem, mas devemos compreender que a mediação tecnológica na educação é necessária, principalmente onde há excepcionalidades tais como: LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA e a FALTA de PROFESSORES, pois trata-se de um eixo temático que compreende o uso das tecnologias da informação no processo educacional, considerando com isso que as ferramentas tecnológicas contribuem de forma colaborativa na disseminação e produção de conteúdos entre os professores  e os estudantes.  A sala de aula torna-se, portanto, um lugar para a construção do conhecimento mútuo, em que os estudantes, o professor e a comunidade são capazes de produzir e passar o conhecimento que não se restringem agora somente a lousa e aos livros, mas, também as tecnologias que são utilizadas como ferramentas dinamizadoras no processo pedagógico. Desta forma, vamos pensar positivamente, pois a inserção da mediação tecnológica na educação é pensar nas inúmeras possibilidades da informação e de aprendizado.

Estejamos cientes que todos os ambientes tem se modificado rapidamente, e isso requer a necessidade da constante atualização, aprendizado e educação para que os nossos estudantes consigam atuar e ter êxito em meio as rápidas transformações e informações necessárias para seu amplo desenvolvimento.

Prof. POLINI
Licenciado em Geografia e História

Especializado em Gestão e Educação Ambiental

Professor da Rede Estadual de Ensino  RO.


Veja também sobre Artigos Professor Polini

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772 - (69) 9937-71115

atendimento@planetafolha.com.br

Planeta Folha nas redes sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo