Banner juvino publicidade

Agronegócios

28/07/2016 10:20

Mato Grosso é o 2º maior gerador de empregos em 2016; agropecuária e indústria seguram

Mato Grosso gerou 5.730 postos de trabalho em 2016. O saldo positivo é o segundo maior do país no ano. Mato Grosso fica atrás apenas de Goiás com 16.614 vagas geradas no primeiro semestre e na frente do Mato Grosso do Sul com 3.319 vagas. O resultado é puxado principalmente pelos setores da agropecuária com 4.949 admissões a mais que demissões, da indústria de transformação com 2.070 e serviços com 1.730 vagas.


As informações constam no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Conforme o levantamento, no primeiro semestre das 27 unidades federativas apenas quatro registraram saldo positivo de contratações. Roraima gerou 117 postos de trabalho a mais que desligamentos.


Em 2016, até junho, o Brasil somou uma retração de 531.765 postos de trabalho. A maior queda no nível de emprego formal no ano foi registrada em São Paulo com 137.634 postos a menos, seguido do Rio de Janeiro com 104.818.

Em Mato Grosso, de acordo com o Caged, o setor do comércio em 2016, a princípio, é o único segmento econômico a apresentar saldo negativo na geração de trabalho. De janeiro a junho o setor reduziu em 3.455 o número de postos de trabalho, ou seja, demitiu mais do que contratou.
Junho
Em junho, o emprego formal apresentou resultado positivo em oito estados, segundo o Caged. O destaque ficou para Minas Gerais com 4.567, Goiás com 3.369 e Mato Grosso com 2.589 postos de trabalho criados.
Assim como no acumulado do ano, a agropecuária (+2.135) e a indústria de transformação (+451) foram os setores que mais contribuíram para o saldo positivo obtido por Mato Grosso.


O comércio em junho apresentou saldo positivo de 255 vagas, ao contrário do setor de serviços que registrou retração de 174 postos e da construção civil de 185.


Municípios
Entre os municípios no mês de junho, Primavera do Leste apresentou o melhor resultado com saldo positivo de 379 postos de trabalho gerados, seguido de Sorriso (+239), Sinop (+103) e Nova Mutum (+100).
Em contrapartida, Cuiabá demitiu mais que contratou, registrando uma perda de 278 postos trabalho, seguido de Várzea Grande (-161), Tangará da Serra (-119) e Rondonópolis (-98).

Viviane Petroli/ Olhar Direto


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo