Banner juvino publicidade

Acre

Veja o placar! 02/08/2017 20:33 Fonte: Último Segundo - iG ( *Com informações da Agência Brasil e Agência Câmara )

Câmara rejeita denúncia da PGR contra o presidente Michel Temer

Governo conseguiu atingir o mínimo de 171 votos para aprovar o relatório da CCJ que sugeria o arquivamento da acusação; votação ainda não acabou

A Câmara dos Deputados aprovou no início da noite desta quarta-feira (2) o relatório da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) que recomendava a rejeição da denúncia apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente Michel Temer (PMDB) pelo crime de corrupção passiva. Com isso, a tramitação da acusação fica paralisada até que o mandato do peemedebista acabe. 

Até as 20h30, a sessão na Câmara ainda não havia sido encerrada. Entretanto, mais de 171 deputados já votaram pelo arquivamento da denúncia. Para que a acusação fosse aceita, a oposição precisava de pelo menos 342 votos - o equivalente a dois terços da Casa, que tem 513 parlamentares. Com o atingimento dos 171 votos a favor de Temer, não há mais como chegar ao mínimo necessário para a abertura do processo no STF (Supremo Tribunal Federal). Pelo menos 13 congressistas estiveram ausentes e um se absteve.

O resultado da votação confirmou a expectativa da base aliada do governo, já impôs uma série de derrotas à oposição ao longo desta quarta-feira. Os governistas, por exemplo, já conseguiram antecipar o fim da fase de discussões e rejeitar requerimento da oposição que pedia o adiamento da votação. Está em discussão o parecer elaborado pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomenda a rejeição da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente.

Diante do grande apoio a Temer verificado na Câmara, a oposição passou a adotar estratégias para tentar atrasar os trabalhos. O PSOL, por exemplo, recorreu ao STF para alterar o rito da sessão de hoje, manobra que acabou funcionando para atrasar os trabalhos da Casa. O presidente da Câmara havia previsto que a admissão ou não da denúncia contra Temer dever ser votada até o início desta noite. 

Discursos

A sessão extraordinária no plenário começou pouco depois das 9h30, com a presença de 65 deputados. O primeiro a discursar foi o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), relator do parecer aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, que recomenda a rejeição da denúncia. 

Em seu discurso, o parlamentar afirmou que a denúncia contra Temer  não apresentou provas suficientes e criticou a gravação feita pelo empresário Joesley Batista, um dos principais pilares da acusação por corrupção passiva contra o presidente. "Entre cinco perícias, quatro a condenam por causa de ruídos", defendeu o tucano.  

O advogado de Michel Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, listou "um ról de equívocos" cometidos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

O criminalista disse que o presidente da República é colocado como réu enquanto um "criminoso delator é colocado em um pedestal", referência a Joesley Batista.

Mariz disse que a decisão da Câmara não influencia o julgamento. "É apenas uma questão temporal. Um ano e meio? Será que não podemos esperar um ano e meio para julgar o presidente? Ele é um facínora?", bradou o advogado de defesa. "Será que a sociedade não prefere um ano e meio de benecífios com o presidente? Será que não se pensa no homem Michel Temer?", completou. 

Também em sua fala no plenário, o advogado criticou o MPF. "O Ministério Público está desrespeitando o tripé da Justiça. Está acusando com provas, sem provas. Não pode acusar a esmo e com base em suposições e hipóteses", diz. 


Loading...

Informações de contato

Planeta Folha

(69) 9841-29772

atendimento@planetafolha.com.br

Permitida a reprodução com citação da fonte. Os conteúdos assinados são de responsabilidade de seus respectivos autores. As pessoas citadas nos conteúdos têm direito de resposta garantida. Dúvidas entre em contato!
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo